Acesse nossas redes

Cotidiano

Lembranças dos shows 1º de Maio em Mossoró e seus artistas da terra

gazetaadm

Publicado

em

Foto: Reprodução/Arquivo

Por Gilberto de Sousa

Houve um tempo em que o Dia 1º de Maio em Mossoró era marcado por um grande show de artistas da terra, promovido pelo pessoal da Associação Cultural e Esportiva Universitária (ACEU). Lembro bem que Aluísio Barros e Aécio Cândido puxavam essa organização. Aécio, do movimento cultural da então Escola Superior de Agricultura de Mossoró(ESAM) e Aluísio, do diretório acadêmico da Universidade Regional do Rio Grande do Norte – URRN, a UERN hoje.

Todos os anos, pouco antes da data, era um corre-corre para a realização dos ensaios no auditório da Faculdade de Ciências Econômicas de Mossoró(Facem), aonde também chegaram a acontecer alguns desses shows. No dia do evento, outra onda de expectativa e emoção nos bastidores nos enchia de energia. Quando os shows por algum motivo não aconteciam no auditório da Facem, eram transferidos para a quadra do ACEU, com grande público sempre certo.

Na década de 80, o movimento cultural em Mossoró era muito efervescente e vibrante. A universidade regional, vinculada a Fundação Universidade Regional do Rio Grande do Norte – FURRN vinha sendo alvo de uma ampla articulação pela busca da estadualização, propósito mais tarde alcançado, justamente com a uma parcela de colaboração desse movimento. Foi também a partir daí que emergiu forte adiante, a Cooperativa Caiçara de Artistas. Mas aí são outras histórias.

Entre os protagonistas dos shows 1º de Maio, compostos por apresentações musicais e recitais, estavam Lima Neto, João Liberalino Filho, Canindé Gadelha, Gilberto Lóia, João de Deus e Zélia, Herbert Motta, Álamo Kário, Maurício Oliveira, Roberto Brígido, Flávio Robson, Ricardo Barbosa, Vavá, Nôra Aires, Dedé Nepó,Tony Silva, Cecília Monte, Marieta, Betinha Lima, os saudosos Ricardo Rogério, Pacchele Gurgel e Zé Valdir, entre tantas outras estrelas desse tempo que me fogem à memória, mas que estão igualmente estereotipadas no livro dessas ternas lembranças.

Os shows 1º de Maio aconteceram seguidos anos, era uma celebração, uma grande homenagem, quando os trabalhadores tinham algo a comemorar, além do próprio trabalho.

Publicidade
Publicidade

 


Publicidade

Copyright © 2021 Gazeta do Oeste